domingo, 24 de maio de 2015

Imagine ChaMel 4ª Temporada (Filhos) - Capítulo 216: Temperamento de Yasmin abala seu relacionamento com Victor



   — Claro que quero — responde Victor sem hesitação. Yasmin olha para os lados, observando se tem alguém próximo. 
   — Eu estou chateada com você. Ponto.
   — Ponto nada — retorque o loiro. — O que foi que eu fiz? 
   — Sério que você não faz nenhuma ideia? — Yasmin pergunta com impaciência. 
Victor arregala os olhos. 
   — Por que eu saberia? 
   — Ai, Victor, você é inacreditável! — exclama a loirinha revirando os olhos. 
   — Yasmin, você está muito nervosinha. E por nada, ainda por cima!
   — Por nada? — pergunta Yasmin se exaltando. — Por nada? 
   — O que foi que eu fiz, caramba? 
Yasmin empurra Victor para dentro da sala, que por sinal está vazia. 
   — Você me ignorou.
   — Quando? — indaga Victor cruzando os braços. 
   — Você nem faz ideia — conclui Yasmin irritada. 
   — Yasmin, começa a falar coisa com coisa, por favor — pede Victor, tentando controlar a raiva e tentando entender o porquê da namorada estar tão nervosa. 
   — Quando você recebeu o telefonema da Lua e ficou sabendo do acidente da Lua, você me ignorou por completo.
Victor solta um suspiro, recordando-se do momento em questão. 
   — Eu queria contar primeiro para a Marina — ele se justifica. 
   — E precisava ter sido tão rude comigo? 
   — Rude? Eu não fui rude com você. 
   — Você me ignorou, Victor. Eu não estou acostumada a ser ignorada!
   — Talvez seja a hora de aprender — Victor deixa escapar e Yasmin arregala os olhos. 
   — O que você disse? 
   — Nada, nada demais. 
   — Nada demais? Repete!
Victor coloca as mãos nos ombros dela e pede:
   — Yasmin, fica calma! Você está muito nervosa, cara. 
   — Eu estou de TPM! — ela conta com raiva. 
   — Ah! — Victor dá um passo para trás. — Então está explicado. Me avisa quando isso acontecer, tá? Porque eu vou ficar o mais distante possível de você. 
   — Como? 
   — É, Yasmin, porque parece que é só você ficar de TPM que a gente briga. É impressionante! E como você disse da última vez, você não consegue controlar e eu não consigo suportar esse seu humor tão... instável. 
   — Então você quer ficar longe de mim? 
   — Talvez seja melhor pra nós dois, porque olha o jeito que você está agindo só porque acredita que eu te ignorei. 
   — Você realmente me ignorou. 
   — Você está parecendo uma garotinha mimada e, na boa, eu não gosto de garotas assim. 
   — Eu não sou uma garotinha mimada! — exclama Yasmin na defensiva. 
   — Se você se visse dizendo isso mudaria de ideia. 
   — Quer saber de uma coisa, Victor? Talvez seja melhor mesmo a gente se afastar até a minha TPM acabar ou talvez por mais tempo. Infinitamente, quem sabe? 
Ela sai furiosa da sala, deixando o loiro perplexo. 
   — Ela é louca demais para mim! 

Maísa pergunta quando Jonas entra no seu espaço na enfermaria:
   — O que você está fazendo aqui? 
Diante da defensiva dela, Jonas fala com cautela:
   — Vim ver como você está. 
A loira não se deixa amolecer pelas palavras dele e rebate:
   — Como se você se importasse. 
   — Talvez eu me importe — responde o garoto sem pensar. 
   — Como? 
   — Se você morresse, em quem eu iria descontar a minha raiva? 
Maísa ri sem humor. 
   — Então fique tranquilo, asma não será o motivo da minha morte. 
Jonas se aproxima aos poucos da cama em que ela está. 
   — Você está melhor? 
   — Agora estou. 
   — Eu não sabia que você era asmática. 
   — Ninguém sabia — fala a loira dando um leve sorriso. — Só a Laís. 
   — O que a Laís não sabe? — indaga Jonas tentando fazer uma piada, porém Maísa interpreta como um insulto e responde com rispidez:
   — Ela sabe porque é minha prima. 
O sorriso de Jonas desaparece e ele fala:
   — É, eu sei. 
Eles ficam em silêncio por alguns instantes, até que ele pergunta:
   — Você vai embora?
   — Sim — Maísa responde. — Estou esperando minha mãe vir me buscar. 
   — Que sorte. 
   — É, menos tempo para ficar olhando para sua cara.
Jonas dá um leve sorriso. 
   — Você leu os meus pensamentos. 
   — É? Agora leia o meu — pede Maísa fitando com intensidade os olhos de Jonas. 
O rapaz fica olhando para ela por alguns segundos, apenas admirando o seu olhar angelical. 
   — E então? — exige Maísa. 
   — Hum. É... "Caramba, como ele é lindo?"
Ela ri. 
   — Não. 
   — O que você estava pensando? 
   — Eu estava me perguntando o porquê de você continuar aqui. 
Jonas ri. 
   — Nossa, se quiser que eu saia, é só pedir. 
   — Então vá embora. 
   — Sabe de uma coisa? — fala Jonas cruzando os braços e se sentando na cama dela. — Eu estava até querendo ir, mas agora eu vou ficar só porque você quer o contrário. 
   — Você está falando sério? — indaga Maísa com a voz monótona. 
   — Estou, você não pode fugir mesmo — Jonas responde dando um sorriso travesso. 
   — Você, Jonas, é a pior pessoa que eu conheço. 
Ele ri. 
   — Eu sei. — Sem pensar muito, ele pega na mão dela.
   — Ei! — exclama Maísa puxando a mão com força. — Eu não te dei essas liberdades. 
   — Infelizmente. 
   — Hã? 
   — Maísa! — Laís chama ao entrar no espaço reservado à loira. 
   — Oi, Laís — fala Maísa sem tirar os olhos de Jonas, que sorri levemente para ela. 
   — O que você está fazendo aqui? — Laís pergunta para ele. 
   — Não é da sua conta. 
   — Jonas — repreende Maísa e ele se aproxima dela. 
   — Você se livrou de mim — fala no ouvido dela. — Por hora. 
Em uma fração de segundos, Jonas encosta seus lábios nos dela e sai da enfermaria. 
   — Ele te beijou? — pergunta Laís sem acreditar no que viu. 
   — Sim — responde Maísa espantada e para o seu próprio horror, animada. 

Em uma mesa da lanchonete, Vinícius brinca com o cabelo de Marina enquanto a garota beberica um suco. Ele cantarola a introdução da música A visita do cantor Silva. 
   — Vou lhe fazer uma visita — ele canta no ouvido dela. — Mas não fique assim aflita, que eu não sou de reparar. 
Marina ri e olha para ele, passando a mão em seu cabelo. 
   — Sua voz é linda. 
   — A sua não fica muito atrás. 
   — Conta outra. 
   — Estou sendo sincero apenas — fala Vinícius sorrindo carinhosamente. Marina sorri juntamente com ele, ficando totalmente envolvida no momento, esquecendo-se do ocorrido com Arthur. 
   — É isso que mais me dói, você realmente acredita que eu canto bem — ela brinca e eles riem. 
Vinícius puxa a cadeira de Marina para mais perto da sua e dá um beijinho no queixo dela. 
   — Você é luz.
   — Raio, estrela e luar — completa Marina rindo. 
   — Olha! Você conhece essa música. 
   — Sendo filha de quem sou, como não saberia? — indaga a morena sorrindo. A harmonia da mesa acaba quando Yasmin chega, puxa uma cadeira vazia com força e se joga nela. 
   — Está tudo bem? — pergunta Felipe para ela. 
   — Não. 
   — O que aconteceu?
   — Nada demais. 
A última cadeira vazia da mesa é ocupada por Victor, que se senta com a cara fechada. 
   — Você está bem? — Isabela indaga baixinho. 
   — Me deixa na minha, Isabela — ele pede pegando o copo de suco da irmã. 
   — Nossa, quanta educação — ironiza a garota e olha para o namorado, que está fitando Yasmin. 

Horas mais tarde, na saída do colégio, Isabela conta aos colegas:
   — Mais tarde a costureira que está fazendo as nossas roupas da quadrilha vai lá em casa para mostrar como ficou. 
   — Sério? — indaga Marina com interesse. — Estou curiosa para ver como vai ficar!
   — Pois é, eu estava pensando se vocês quiserem ir ver. 
   — É claro que nós vamos! — garante Felipe sorrindo. 
   — O Ulisses chegou — fala Yasmin. — Vamos? 
Isabela olha para a amiga, que retribui o olhar. Como se conhecem deste sempre, com apenas um olhar Isabela entende que depois ficará sabendo os detalhes do que aconteceu com a amiga e Victor. 
   — Tchau! — fala Felipe. — Tchau, pequena — acrescenta baixinho para Isabela. 
   — Tchau, Fê.
Eles dão um beijo e enquanto eles trocam o afeto Victor se aproxima de Yasmin. 
   — Não vai se despedir de mim? 
   — Victor, eu não quero ser grossa com você e ainda estou chateada. 
   — Chateada com uma coisa que não aconteceu? 
   — Nós vamos começar com isso de novo? 
   — Ok, parei. Não está mais aqui quem falou. Aliás, não precisa se despedir também. — Ele olha para os outros. — Vamos, Mari, o carro da mãe já está ali.
Victor atravessa a rua e entra no carro de Lua.
   — A Lua que veio buscar vocês? — indaga Vinícius surpreso. 
   — Sim, porque nós vamos ir direto visitar o meu pai — responde Marina.
   — Ah, sim. Então logo que tiver mais informações dele, me avisa, tá bom?
   — Pode deixar. — Eles dão um selinho e Marina se encaminha até o veículo de Lua. 

Samuel entra no carro que foi buscá-lo e fica aguardando o veículo sair, o que demora um pouco pois a rua está engarrafada. Neste período, ele observa os alunos que permanecem na calçada e o seu olhar se fixa em Jonas. Como se soubesse que está sendo observado, o rapaz olha em direção ao carro em que Samuel está. Eles se encaram e ambos têm a sensação de que o outro lamenta o distanciamento deles. A troca de olhares dura pouco: Jonas olha para o outro lado da calçada e Samuel fecha a janela do carro. 

Quarenta minutos depois, Lua entra no hospital acompanhada pelos filhos gêmeos. Marina sorri ao ver Brian sentado em uma cadeira. 
   — Oi! — ele fala em inglês ao vê-los. 
   — Oi! — Marina responde e se joga nos braços dele. 
   — Alguma mudança no estado clínico dele? — Lua pergunta. 
   — Não — responde Brian. 
   — Que bom!
   — Nós vamos poder visitá-lo? — indaga Victor. 
   — Sim. Vou ali falar com a recepcionista para poder agilizar para vocês. 
   — Tudo bem — responde o loiro e Lua se afasta. Após alguns minutos, os gêmeos entram no quarto que Arthur está se recuperando do acidente. 
   — Pai! — exclama Marina correndo até a cama. 
   — Oi, minha princesa. 
   — Pai — fala Victor parando atrás da irmã. — Como o senhor está se sentindo?
   — Moído — responde Arthur e eles riem. Embora o rosto do cantor esteja machucado, assim como suas pernas e braços, os filhos não ficam horrorizados. 
   — Como isso foi acontecer? — pergunta Marina. 
   — Eu fui desviar de um buraco na rua, perdi o controle do carro e capotei — conta Arthur. — Foi tudo muito rápido. 
   — Pelo menos agora o senhor está bem — fala Victor. 
   — Nós ficamos tão preocupados — conta a garota pegando na mão dele. — O senhor deu um baita susto na gente, sabia?
Arthur sorri levemente. 
   — Desculpa. 
   — Só vou aceitar sua melhora como pedido de desculpa. 
Os três riem e continuam conversando. 

Enquanto almoçam no restaurante que fica dentro do prédio da MelPhia, Sophia e Mel conversam sobre o ocorrido com Arthur.
   — Se nós não tivéssemos uma reunião agora à tarde eu iria visitá-lo — fala Mel. 
   — É, eu também. — Sophia bebe um gole de seu suco e pergunta: — Falando nessa reunião, qual é a proposta que você quer sugerir? 
   — Na verdade é uma ideia da Isabela. 
   — Da Isabela? 
   — Sim, uma parceria nossa. 
Sophia ri. 
   — E qual é essa ideia? 
   — Você saberá mais tarde na reunião — responde Mel enigmaticamente. 
   — Você não vai mesmo me contar? — pergunta Sophia rindo. 
   — Surpresa é surpresa — brinca Mel. 

No meio da tarde, Yasmin vai até a mansão de Isabela antes do horário que todos haviam combinado no grupo do Whatsapp. As duas conversam durante um bom tempo e são interrompidas por Felipe, que chega também antes do horário. 
   — Oi! — ele fala pegando Nina no colo. 
   — Felipe, você chegou cedo — comenta Yasmin sem esconder o desagrado na voz. 
   — Olha quem fala! — exclama o rapaz sentando-se no sofá. 
   — Cala a sua boca.
   — Quanto amor — Isabela ironiza sentando ao lado do namorado. 
   — Do que vocês falavam? — pergunta Felipe. 
   — Não te interessa! — responde Yasmin. 
   — Quanto amor — Felipe ironiza no mesmo tom de Isabela e eles riem. Minutos depois, todos os seis estão reunidos na sala da mansão de Mel e Brian também. Os casais estão sentados um ao lado do outro, exceto por Yasmin e Victor, que estão sentados em cantos opostos do espaço. 
   — Como está o Arthur? — pergunta Felipe aos gêmeos. 
   — Está bem — conta Marina. — Ele vai para casa hoje mesmo. 
   — Ai que bom! — exclama Isabela sorridente.
Enquanto aguardam a costureira chegar com os vestidos, eles começam a conversar (em inglês para Brian entender e participar). Em certo momento, Victor levanta e vai rumo ao banheiro que fica no térreo. Yasmin levanta do sofá e segue o namorado. 
   Victor entra no banheiro e antes que ele possa trancar a porta, Yasmin entra.
   — Ficou maluca? — ele pergunta. 
   — Sempre fui — responde Yasmin sorrindo. Ela coloca uma mão às costas e tranca a porta. — Eu queria te dizer duas coisas. 
   — O que é? — Victor cruza os braços. 
   — Eu te odeio — fala Yasmin e em seguida empurra o loiro contra uma das paredes. — E eu te amo. — Ela dá um beijo ardente nele, que retribui após alguns segundos. 
   — Você é uma montanha-russa — ele fala após o beijo. 
   — Eu sei que você quer aproveitar cada curva dessa montanha-russa — provoca Yasmin. 
   — Não tenha dúvidas disso. 
Victor puxa Yasmin ainda mais para perto e beija ela. Eles passam alguns minutos se beijando calorosamente. 
   — Sem brigas? — ela pergunta. 
   — Sem shows? 
Yasmin ri. 
   — Sim. 
   — Então sim. 

Deitados na areia de uma praia, Malu e Ben conversam olhando o céu. 
   — Areia. Mar. Céu. Não tem combinação melhor — fala Ben. 
   — É uma combinação tentadora mesmo — concorda Malu.
Ben se apoia em um cotovelo e fica com o rosto acima do de Maria Luíza. 
   — Sabe qual é outra combinação tentadora? 
   — Hum? — ela indaga olhando para ele. 
   — A sua boca e a minha. 
   — Ben...
   — Shiu. — Lentamente, Ben beija os lábios de Malu. No começo a garota reluta, porém logo se entrega ao momento. Uma de suas mãos vai até o rosto dele e acaricia sua bochecha enquanto eles permanecem se beijando. 

Quando a costureira chega com todas as roupas deles, os jovens decidem se separar em casais pelos quartos para experimentá-las. 
   — Depois descem para eu ver — pede Brian sorrindo. 

Entre os beijos, Malu recorda do rosto de Samuel e por isso afasta Ben. 
   — O que foi? — pergunta o garoto. Malu senta na areia e ele faz o mesmo. 
   — Eu quero te falar uma coisa. 
   — O quê? 
Malu encara o belo rosto de Ben e diz:
   — Eu gosto de você, Ben, gosto mesmo. Só que tem outra pessoa que também mexe comigo. 
   — O cara que quase me atropelou, né? 
Malu fica espantada. 
   — Como você sabe?
   — Eu não sou idiota, vi como vocês se olhavam. 
Malu suspira. 
   — Sim, é ele — confessa. 
   — O que é que tem? 
   — O que é que tem? Eu não quero te dar falsas esperanças. Não quero ficar conversando, saindo e ficando com você como se pudéssemos ter um futuro juntos, porque não vai ser assim. Não enquanto eu continuar dividida. 
Ben dá um leve sorriso e pega em uma das mãos dela. 
   — Malu, quero que você entenda uma coisa. Eu gosto de você, bastante, porém eu não planejo namorar, casar e ter filhos com você. Eu não penso no futuro, não penso no amanhã. Eu quero viver o agora, quero viver o presente. Para mim está ótimo viver isso que nós temos vivido, mas quando não for mais bacana pra você eu me afasto. 
Malu sorri, espantada com a maturidade e a confiança que Ben emana. Essa simplicidade e descomprometimento dele a deixa encantada. 
   — Para mim está bacana agora. Muito bacana! — Ela coloca uma mão na nuca dele e beija seus lábios sem pensar em mais nada. 

Felipe, sentado na cama, observa Isabela vestir seu vestido tradicional para a quadrilha. Ele sorri, admirado pela beleza dela. 
   — Como estou? — indaga Isabela dando uma volta sem sair do lugar. 
   — Deslumbrante. 
Isabela sorri. 
   — Pega um chapéu de palha que está lá no meu closet, por favor? — pede a garota. 
   — Claro.
Felipe levanta e vai até o espaço, sendo seguido de perto por Nina. Ele se estica para pegar o chapéu, que está no alto do armário e algo no chão desperta o seu interesse. Ao se agachar, pega uma foto de um garoto bonito, de cabelo e olhos escuros, pele branca, sorriso charmoso e esperto. 
   Em frente a um espelho, Isabela analisa minuciosamente seu vestido. Ela ouve passos e se vira na direção do closet. 
   — Ué, não encontrou o chapéu? — pergunta para Felipe que não traz o acessório. 
   — O que isso estava fazendo no seu closet? — questiona o moreno erguendo uma das mãos com uma foto.
   O rosto de Isabela empalidece ao ver um retrato de Jonas nas mãos do namorado.