sábado, 25 de abril de 2015

Imagine ChaMel 4ª Temporada (Filhos) - Capítulo 207: Marina e Vinícius conversam sobre a chegada de Brian



Os tênis de Malu pisam em uma poça d'água quando ela deixa o táxi que a trouxe até ali e atravessam o caminho de terra batida até a porta do galpão. Ela tenta não se intimidar pelos olhares das pessoas que estão pelo caminho e sente um alívio ao ver Ben saindo do galpão com uma garrafa de vodka em uma das mãos.
   — Malu! — ele exclama ao vê-la se aproximando. 
   — Oi, Ben — Malu responde sorrindo. 
O garoto retribui o sorriso de um jeito abobado, fazendo Malu se perguntar se é por causa da sua chegada ou por causa da bebida. 
   — Onde a Grazi está? — indaga olhando para o interior do galpão. 
   — Não sei. Eu posso procurar ela com você. 
   — Ótima ideia. 
   — Beleza. — Ben passa um braço pela cintura dela e a leva para dentro. 

Enquanto cozinham, Chay e Mel conversam e riem. Em um determinado momento, ela vai até a geladeira para pegar um ingrediente e Chay caminha até o porta-facas. Quando ele está voltando para o balcão onde pretende cortar alguns legumes para decoração do prato principal, Mel bate a porta da geladeira e se coloca no caminho dele. 
   — Mel, cuidado! — exclama Chay virando a ponta da faca a poucos centímetros do braço dela. 
   — Hã? — Mel se vira assustada. — O que foi? — indaga e o seu espanto aumenta quando vê o dedo indicador de Chay sangrando. — Amor, o que houve? 
   — Eu fui desviar do seu braço e acabei me cortando — responde Chay indo até a pia para lavar o dedo. 
Ainda confusa, Mel o segue. 
   — Foi fundo? — indaga sobre o ombro dele. 
   — Não muito — Chay responde e o seu olhar fica vazio enquanto ele relembra com atenção o que Mel disse. — Você me chamou de... amor? — questiona olhando para ela. 

Em pé ao lado da mesa, Victor espera Yasmin se levantar. 
   — A gente vai indo — fala a garota para Vinícius. 
   — Mas a gente nem comeu nada ainda — ele retorque. 
   — Eu sei, é que o Victor está com febre. 
Vinícius olha para Victor. 
   — Você está bem? 
   — Aham — responde o loiro, mas sua voz sai um ruído rouco. 
   — Nem tanto, né? — Vinícius e Yasmin ri, mas quando Victor tenta fazer o mesmo sua garganta arranha e ele tosse. 
   — É melhor a gente ir logo — brinca Yasmin empurrando Victor pra saída, ainda rindo. — Deixa um beijo pra Isa, pro Felipe e pro Brian. 
   — E a Marina? — indaga Victor com sua voz rouca. Yasmin consegue interpretar um olhar zombeteiro no rosto abatido dele. 
   — Nossa, que engraçado — ela ironiza. — Tchau, Vini!
   — Tchau — se despede Victor. 
   — Tchau! — Vinícius responde aos dois. 
O casal de loiros sai e fica parado na calçada. 
   — Vamos ficar esperando aqui — fala a loirinha. — Já já passa um táxi. 
   — A gente está na vida real, Yasmin, não vai brotar um táxi justamente na hora que a gente sai. — Ele sorri. 
   — Argh, bobão — ri Yasmin. — É que essa é uma rua movimentada, daqui a pouco aparece. 
Victor abaixa as mangas de sua camisa. 
   — Tomara que não demore muito, estou com frio. 
   — Frio? — Yasmin se espanta. — É, você está realmente febril. 
Victor cruza os braços, tentando impedir que o calor de seu corpo se dissipe. Yasmin fica olhando para ele por um tempo, mas passa a fitar a rua e instantes depois exclama:
   — Lá vem um táxi!
Ela caminha até o meio fio e acena para o veículo, que diminui a velocidade até parar na frente deles. Victor abre a porta para Yasmin e eles entram. 

Uma batida eletrônica ressoa nos ouvidos de Malu e ela  e Ben tentam encontrar Graziele em meio a multidão de pessoas que dançam e conversam na pista improvisada no centro do galpão. Eles trocam algumas palavras enquanto caminham pelo local e Malu tenta pegar a garrafa de vodka das mãos dele, mas Ben desvia. 
   — Ei, menor de idade não pode beber — fala, mas um sorriso provocador surge em seus lábios. 
   — Eu estou com sede — justifica a garota. 
   — Eu compro uma água pra você. 
   — Ben!? 
Ele gargalha e entrega a garrafa a ela. 
   — Se a polícia bater aqui, eu não fiz isso. 
Malu bebe um gole e diz:
   — Pode ficar tranquilo, a polícia encontrará tantas coisas piores que nem vai se importar com você. 
Ben ri. 
   — Pior que você está certa. 
Malu bebe mais um pouco. 
   — Agora já sei os seus segredos. 
   — Oh! — exclama Ben levando as mãos à boca. — Você descobriu que eu atravessei fora da faixa de pedestres ontem? 
Ela segura uma gargalhada e assente. 
   — Sim. Muitos dias de purgatório por isso!
Ben ri e se aproxima dela, roçando os seus lábios no ouvido dela ao dizer:
   — Eu posso levar uma companhia ao purgatório? 
Malu vira o rosto para olhar nos olhos dele, ficando com seu nariz a centímetros do dele. 
   — Isso é um convite? 
   — Um convite quente, não? 
Eles riem e se afastam um do outro. Ben pega sua garrafa novamente. 
   — Você é religiosa? 
   — Não. 
   — Hum, estou me envolvendo com uma ateia — ele conclui bebericando a vodka. — Isso deve ser pecado. 
   — Ei, eu não disse que sou ateia, apenas não sigo nenhuma religião, mas acredito em Deus. 
   — Ufa, que alívio — ele fala e Malu vê um sorriso em seus olhos. 
   — E você, é religioso? 
Ben abre os braços, exclamando acima da música:
   — Eu estou nesse lugar, já tomei coisas que Deus não sabe nem o que é!
Malu ri e se aproxima dele. 
   — Então eu estou me envolvendo com um ateu?
O rapaz também se aproxima dela. 
   — Quem falou que a gente está se envolvendo? 
Malu dá um leve sorriso. 
   — Estou usando as suas palavras. 
Ben fica olhando para os olhos dela por um instante e Malu dá meia volta, caminhando entre algumas pessoas. 
   — Beijo do Samuel e do Ben no mesmo dia é demais pra mim. 
   — Hã? — indaga Ben caminhando atrás dela. 
   — Nada — grita Malu por cima do ombro. Ela visualiza Graziele, dançando com um homem tatuado e de uma beleza exótica, mas atraente. — Oi, Grazi! — fala ao se aproximar dos dois e reconhece Douglas. — Oi... Douglas, né? 
O rapaz passa um braço pelos ombros da ruivinha e indaga rindo com uma euforia além do normal:
   — Falou de mim pra sua amiga? 
   — Falei — responde Graziele sorrindo e empurrando, suavemente, a mão dele.
Malu desvia o olhar de Douglas para fitar Graziele. 
   — Então, cadê o Thiago? 
   — Foi pegar bebida pra gente. 
   — Refrigerante? — brinca Ben atrás de Malu, mas Graziele não entende a piada e não ri, ao contrário de Douglas.
   — Que engraçado ele — ironiza mesmo depois de rir bastante. 

Mel pisca rapidamente e recua até a pia. 
   — Do que você está falando? — indaga apoiando as mãos no material gelado às suas costas. 
   — Você me chamou de amor — afirma Chay. 
   — Claro que não — discorda Mel pegando uma pano para envolver o dedo dele. — Você cortou o dedo, Chay, os seus pensamentos não foram afetados por isso. 
   — Nem a minha audição — ele retorque sorrindo. — Eu tenho certeza do que ouvi. 
   — Chay — sussurra Mel segurando na mão dele com o pano entre seus dedos. 
   — Assume — pede Chay. 
Ela fica olhando para ele por alguns demorados segundos. 
   — Talvez eu tenha, mas...
   — Só isso basta! — interrompe o cantor puxando Mel para mais perto. Sem perder tempo, ele tenta beijá-la, mas Mel vira o rosto e se encaminha para o fogão. 
   — Você ainda consegue cortar? — ela pergunta enquanto checa as panelas. 

Os braços de Marina deslizam dos ombros de Brian e ela pede:
   — Vamos voltar para a mesa? Cansei de dançar. 
   — Ok, vamos. 
Eles retornam para a mesa, encontrando apenas Vinícius. Marina se senta entre os dois e faz um carinho nos cachos do namorado, antes de perguntar:
   — Cadê o Victor, resolveu dançar com a Yasmin? 
   — Eles foram embora — informa Vinícius. 
   — Sério? — Brian indaga. — Por quê? 
   — O Victor está com febre. 
   — É alguma coisa séria? — Marina pergunta com preocupação. 
   — Acho que não, mas é melhor ele descansar. 
Marina passa a mão pelo cabelo. 
   — O Victor é sempre assim, custa a ficar gripado, mas quando fica... sai de baixo. 
As pessoas da mesa ao lado olham com curiosidade para eles, espantadas pelo fato deles estarem falando em inglês. 
   — Fica tranquila — pede Vinícius colocando uma mão no joelho dela. — Ele só precisa de repouso. 
Marina coloca sua mão sobre a dele e eles sorriem levemente um para o outro, até Marina olhar para Brian e perguntar:
   — E aí, vamos fazer os pedidos? 
   — Só se for agora. 

Durante o percurso para o condomínio, Yasmin mexe em seu celular com a cabeça de Victor apoiada em seu ombro. Ela sente o rosto dele quente em contato com o seu ombro e torce para que o remédio faça efeito e a febre abaixe logo.
   — Como você acha que foi esse encontro? — indaga Victor de uma hora para outra e o motorista se espanta assim como Yasmin. 
   — Hã?
   — Como você acha que foi esse encontro? — ele repete. 
   — Do Vini com o Brian? 
   — Uhum. 
   — Ah, foi melhor do que eu esperava. O Brian não foi daqueles ex-namorados estúpidos e o Vinícius foi um atual namorado muito maduro. 
   — É — concorda Victor. — Foi mais positivo do que eu queria. 
   — Como? 
   — Eu queria ver treta. 
Eles dois riem e Victor tosse. 
   — Você é um menininho mau que gosta de ver a tragédia alheia — sorri Yasmin. 
   — Eu gosto de ver sangue, socos, tretas!
   — Você só gosta de ver, né? Porque quando é com você a figura muda de lado.
   — Ah, dependendo da pessoa, eu gosto de brigar. 
Yasmin ri. 
   — O Jonas que o diga, né? 
Victor sorri. 
   — Então, voltando a falar da Marina e do Brian, você acha que eles podem ficar? 
   — Ai, que pergunta, Victor. 
   — O quê? 
   — Eu vou lá saber! Se você que é irmão dela está na dúvida, imagine eu? 
   — É que, sei lá, eu não tenho dúvidas do caráter dela e do que ela sente pelo Vinícius, mas... mas eu vi como era ela e o Brian, sabe? 
Victor desperta o interesse de Yasmin. 
   — Como eles eram? 
   — Perfeitos. Assim, eu sei que não existe casal perfeito, mas as pessoas achavam que eles eram perfeitos juntos. E sabe o que eu mais acho estranho? 
   — O quê? 
   — É que a Mari mudou tanto lá dos Estados Unidos pra cá. Tipo, aqui ela é mais calma, mais reservada, lá não era assim. Era completamente diferente. 
   — É por isso que a Marina Brasileira é namorada do Vinícius e a Marina Americana era do Brian. Talvez essa "nova Marina" não forme mais o casal perfeito com o Brian. 
Victor ergue a cabeça e comenta olhando para os olhos azuis escuros de Yasmin:
   — Eu concordo com isso, mas e se com a chegada do Brian a Marina Americana resolver dar as caras? 

Afastados de Graziele, Thiago e Douglas, Malu e Ben dançam a música Bad Girls da rapper M.I.A.. A morena canta a música a plenos pulmões e remexe no ritmo, provocando um estado de hipnose em Ben, que acompanha os movimentos dela com o olhar concentrado. Ao final da música, Malu joga o cabelo para um lado para sentir a brisa da noite em sua nuca, mas não alcança o efeito desejado. 
   — Vamos dar uma volta? — pergunta no ouvido de Ben. — Eu preciso de ar puro. 
Ele olha ao redor e vê que o ambiente está com bastante fumaça de cigarros diversificados e outros odores. 
   — Ok, vamos lá para fora. — Pegando em uma das mãos dela, caminha para a porta do galpão, passando por algumas pessoas. Quando estão prestes a sair, Malu é obrigada a desviar de uma garota que é empurrada por um colega e deixa cair uma garrafa de vidro a poucos centímetros do pé dela. 
   — Essa foi por pouco — comenta com Ben, que sorri de leve. Eles saem e Malu inspira profundamente, enchendo o pulmão com o ar gelado da noite. No entanto, a sensação de liberdade logo acaba pois uma lufada de ar traz consigo um cheiro bem peculiar que Malu reconhece de imediato. 
   — Pelo visto as pessoas gostam de fumar tanto lá dentro como aqui a fora. 
   — Vamos mais para ali — chama Ben e eles caminham pela lateral do galpão. Juntos, passam por um grupo que ri e conversa à plenos pulmões. Olhando bem para eles Malu enxerga um cigarro suspeito na mão de uma mulher e vê nitidamente um casal cheirando algo em um pedacinho de vidro. Quando eles pegam o olhar dela, ela desvia com rapidez e continua seguindo Ben. Ao se afastarem bastante de todos, eles param e ela se apoia na parede do galpão. 
   — Você é como eles? — indaga olhando para o céu. 
   — Eles quem? — Ben devolve com outra pergunta, parado em frente de Malu com uma mão apoiada na parede ao lado da cabeça dela. 
   — A maioria das pessoas daqui — responde Malu vagamente. 
   — Não. 
   — Então por que você está aqui? 
   — Por vários motivos. 
   — Me fala um deles — pede Malu ainda fitando as estrelas. 
   — Aqui eu posso fazer o que eu quiser, ninguém vai me julgar. 
Ela balança a cabeça em concordância. 
   — É um bom motivo. Porém, como você consegue não se misturar? 
   — Quem falou que eu não misturo? 
   — Eu quis dizer no sentido de não compartilhar dos meus hábitos que eles. 
   — Ah! Não sei. Talvez seja porque eu não quero ficar como eles ou simplesmente porque tenho sorte. 
   — Você acredita em sorte? 
   — Como não vou acreditar com você parada na minha frente? 
Malu abaixa a cabeça para olhar para o rosto dele. 
   — Talvez não seja sorte, e sim azar. 
O rosto de Ben fica mais próximo do dela. 
   — Duvido. 
Maria Luíza sente um frio na barriga e sabe que se quiser continuar tendo beijado apenas Samuel neste dia precisa desviar o olhar. Contudo, não consegue parar de encarar Ben. 

Após ter dado de ombros diante do questionamento do namorado, Yasmin voltou a mexer no celular e ele a deitar no ombro dela. Uma matéria é compartilhada no Twitter e ela estreita os olhos ao ler o título. Sem acreditar em seus olhos, clica no link e lê a matéria toda, ficando anestesiada de raiva. 
   — Filhos da p*ta! — exclama após se recuperar. — Ai! — Ela joga o seu celular no colo de Victor. — Como a gente não vai ter ódio desses... parasitas!?
Confuso, Victor pega o celular e lê o título da matéria em voz alta:
   — Filha de Chay Suede e Mel Fronckowiak é vista em saída de shopping e assusta devido à magreza excessiva. — Ele olha para Yasmin. — O que é isso? 
   — Leia — pede Yasmin respirando fundo para controlar o ódio que inflama o seu peito. 
Victor começa a ler a matéria:
   Nesta sexta-feira, Isabela Fronckowiak, filha do ex-casal Chay Suede e Mel Fronckowiak, foi vista em um shopping da Barra da Tijuca e deixou a nossa equipe espantada. E não, não foi pelo rapaz que a acompanhou até o carro - que não era o seu namorado, Felipe Borges (herdeiro de Sophia Abrahão e Micael Borges)- e sim por seu corpo. Recentemente, sua grande amiga/cunhada, Yasmin Borges (também herdeira de Sophia e Micael), estrelou uma campanha para a MelPhia, grife de suas mães, e esbanjou beleza, talento e... um corpo de causar inveja nas mulheres e deixar muito marmanjo babando, mesmo com os seus QUINZE ANOS? É isso mesmo, produção? Pois bem, parece que Isabela não tem frequentado a mesma academia ou compartilhado da mesma dieta (ou poderíamos dizer sorte?) de Yasmin, já que sua magreza deixou nossa equipe de queixo caído. Que altura ela não tem, todos já estávamos carecas de saber, mas recentemente a gatinha tem aparecido cada vez mais magra. Alô, nutricionistas! A união tamanho pequeno + magreza extrema tem resultado em uma aparência de criança para a nossa (quase) adolescente favorita. Quais seriam as causas desse emagrecimento repentino? Problemas com o namorado? A separação dos pais? Distúrbios alimentares? Não sabemos, mas torcemos profundamente que Isabela engorde pelo menos uns... cinco quilos? 
O loiro visualiza as fotos que foram tiradas da saída de Isabela e Everton do shopping e não vê nada de diferente do corpo dela nas fotos para o que ele viu logo que a conheceu. 
   — Por que eles estão se preocupando com isso? 
   — Eles não estão se preocupando! O que eles querem é acessos, comentários, ibope as nossas custas. Como pode isso? A Isa sempre foi magrinha e pequena e qual é o problema nisso? E por que raios foram falar da minha campanha? Parecem que querem fazer uma comparação ridícula entre o meu corpo e do Isa. E fala sério, eu não faço o tipo gostosona que dá a entender por essa matéria patética! — Ela recupera o fôlego e olha para Victor. — O que você acha? 
   — Eu acho que eles não deveriam fazer matérias sobre a gente e ponto. Não interessa se a gente está gordo, se a gente está magro, quem é famoso não é a gente. 
Yasmin passa as mãos no rosto e cabelo. 
   — Como a Isa vai reagir quando ler isso? Nunca aconteceu de alguém falar da magreza dela e cara... ela não está esquelética! 
   — Talvez ela nem veja — opina Victor após tossir. 
   — Como assim? Você acha que eu não devo mostrar pra ela? 
   — Eu acho que não. 
   — E se ela ver através de outra pessoa? 
   — E se ela não ver? 
Yasmin deita a cabeça no banco do carro. 
   — Eu quero matar o jornalis... não, alguém que escreve essa bosta venenosa não deve ser considerada jornalista. — Ela respira fundo. — E agora, eu conto ou não pra Isa sobre isso? 

Sozinhos na mansão, Chay e Mel jantam na sala de jantar. 
   — Apesar dos pesares — ele fala —, ficou gostoso o nosso jantar. 
   — Ficou mesmo! 
   — A gente tem o dom de fazer coisas boas juntos. 
Mel concorda. 
   — Os nossos filhos são a maior prova disso. 
   — É verdade. Falando neles, como eles estão? 
   — Bem. O Vini que está enfrentando algumas turbulências no namoro com a Marina. 
Chay franze a testa. 
   — Por que motivo? 
   — Sabe o namorado americano que ela tinha lá em Nova York? 
   — Sei. 
   — Então, ele veio passar as férias escolares aqui no Brasil. 
O cantor arregala os olhos. 
   — Não brinca!
   — Pois é. 
   — E aí? 
   — Ah, ele chegou hoje, então não tem como falar muito, mas o Vini está bem até. 
   — A gente ensinou certo. 
   — Ai, ai, somos fabulosos! — exclama Mel e eles gargalham e brindam com vinho. 

Enquanto comem uma porção de batatas fritas, Isabela e Felipe tentam explicar a importância da festa junina na cultura brasileira para Brian. Marina se diverte com a cena e Vinícius também. A adolescente olha para o namorado e de volta para Brian e fica assim durante alguns minutos. Ela não consegue conter a gargalhada ao ver a expressão perdida de Brian, mas é olhando para Vinícius que um sorriso bobo e sem motivo surge. Inconscientemente, ela pega mão dele e entrelaça os seus dedos nos dele. 

Lento e progressivamente, os lábios de Malu e Ben se unem. Ela tem consciência de que não deveria estar fazendo isso, mas seu corpo não obedece sua mente e se entrega por completo ao momento. Seus dedos puxam a camisa de Ben, trazendo ele para mais perto de si. E sem hesitar, ele vai e enlaça a cintura dela com seus braços. O beijo ganha velocidade e Ben prende o corpo de Malu na parede com o seu. Ela mordisca o lábio dele e eles se olham por alguns segundos, respirando em um mesmo ritmo ofegante. 
   — Viu como só pode ser sorte? — ele sussurra com os lábios encostando nos dela. 
Malu sorri e volta a beijá-lo. O segundo beijo do casal, no entanto, dura poucos segundos, pois eles ouvem sons de peles se chocando e rugidos de raiva. Ben para o beijo lentamente e solta um suspiro de frustração, provocando um sorrisinho em Malu. Eles olham na direção do som e Malu franze a testa ao ver dois homens brigando violentamente na quina da lateral para a parte de trás do galpão. Ben dá um beijinho no cantor da boca dela e pega em seu pulso. 
   — Vem, vamos sair daqui. 
   — A gente vai sair assim, sem nem tentar separá-los? 
Ben ri. 
   — Você está falando sério? 
   — Claro. 
Ele afaga o rosto dela e fala:
   — Malu, eles estão em um estado que só Deus sabe como, você quer mesmo se meter? 
   — E se... se acontecer uma tragédia? 
   — Se a gente se meter, a tragédia por acontecer com a gente. 
   — Isso é tão egoísta! 
   — Não, isso é instinto de preservação. Vamos!
Mesmo querendo impedir aquela cena de brutalidade, Malu sabe, bem no fundo, que Ben está certo e só por esse motivo deixa ele guinchá-la de volta para o galpão.

Assim que chegam à mansão de Lua e Arthur, Yasmin e Victor se abrigam na varanda e se despedem com um selinho. 
   — Toma logo um remédio ou alguma coisa que faça essa febre abaixar — recomenda Yasmin. 
   — Pode deixar. Vou ver o que a minha mãe barra curandeira tem para me oferecer. 
Eles riem e Yasmin passa a mão no rosto dele. 
   — Agora eu vou. Beijos!
   — Beijo!
Ela dá meia volta e começa a caminhar até o portão, porém logo se vira e fala ao mesmo tempo que Victor indaga:
   — Acho que vou ficar. 
   — Yasmin, fica? 
Eles se olham e começam a rir. Yasmin volta para perto dele e juntos, entram na mansão. 

Depois de resolverem ir embora e dividirem a conta, Isabela, Felipe, Marina, Vinícius e Brian se dividem e se despedem na porta da casa sertaneja. 
   — Adorei conhecer e jantar com vocês — fala Brian com um sorriso simpático no rosto. 
   — Nós também — Isabela garante.
Enquanto o trio conversa, Marina puxa Vinícius para longe. 
   — Vamos comigo e com o Brian? 
   — Vou, mas por quê? 
   — Eu quero conversar com você antes de você ir pra casa. 
Vinícius franze levemente a testa. 
   — Por quê? 
   — Lá em casa a gente conversa — encerra Marina dando um leve sorriso. 

Com o cabelo preso em um coque frouxo, usando uma camisa dos Lakers de Victor que fica um vestido em seu corpo, Yasmin deixa o banheiro do quarto dele.
   — Eu ainda não decidi se vou ou não contar para a Isa sobre a matéria, sabe? — fala. — Sei lá, tanta coisa acontecendo, não sei se quero preocupá-la com mais essa. É difícil ler uma coisa dessas e não... — Seu olhar pousa na cama de Victor e ela constata que o loiro já está dormindo. Ela sorri e apaga as luzes antes de se deitar ao lado dele, abraçando suas costas. Minutos depois, o casal está dormindo em uma conchinha perfeita. 

Ao chegarem ao condomínio, Marina e o seu atual e ex-namorado cruzam o jardim até a porta principal da mansão. Brian abre e entra, mas para ao ver que o casal não o acompanha. 
   — Vocês não vão entrar? — pergunta com curiosidade. 
   — Ainda não — responde Marina dando um leve sorriso. Brian olha para ela e depois para Vinícius. 
   — Ah tá, vou indo então. Boa noite!
   — Boa noite! — respondem Marina e Vinícius. Assim que ficam sozinhos, Vinícius pergunta em português:
   — Então, o que foi? 
   — Vem cá — chama Marina e eles caminham até umas poltronas de palha. Eles se sentam um de frente para o outro e Marina pega nas mãos dele antes de perguntar: — Como as coisas estão entre a gente? 
   — Estão bem — responde Vinícius olhando nos olhos dela. 
   — Tem certeza, Vini? Porque você sabe que se tiver qualquer coisa te incomodando você pode me contar. 
   — Eu sei, mas está tudo bem. Eu só preciso de um tempo para me... adaptar com a presença do Brian.
Marina assente e faz um carinho na mão dele. 
   — Eu queria te falar que a chegada do Brian não mudou nada. — Ela olha para as mãos unidas deles para não se sentir envergonhada. — Ele foi meu ex-namorado? Foi. Foi com ele que eu experimentei o que é o amor? Foi. Eu idealizei o nosso futuro e o nosso casamento? Sim. Só que... — seu tom de voz abaixa e ela permanece fitando os dedos dele —, só que quando eu te conheci parece que tudo mudou. Eu me sinto culpada por ter traído ele com você e achar que aquilo foi a coisa certa, mas eu não consegui controlar o que sentia por você e hoje eu continuo sem ter o controle sobre isso. — Ela ergue o olhar para o rosto dele. — O que eu estou querendo dizer, Vini, é que hoje em dia o que eu vivi com o Brian são apenas lembranças. Boas? Claro, mas apenas lembranças. Eu não quero reviver o que a gente teve, muito menos viver aquilo com outra pessoa além de você. Tudo isso porque eu sou... sou completamente e alucinadamente apaixonada por você. Eu não quero que ninguém pense ou que fique parecendo que eu estou dividida entre vocês, porque isso não é verdade. — Ela se arrasta para a ponta da poltrona. — Eu já encontrei o meu par ideal e ele é você. 
Vinícius sorri, visivelmente abalado com as palavras dela, e solta as suas mãos para envolver o pescoço dela com delicadeza. 
   — Eu nunca duvidei dos seus sentimentos por mim, eu posso sentir ciúmes às vezes, mas eu sei que o que a gente sente um pelo outro é muito forte. Eu te amo mais do que pensei que pudesse amar alguém e quero continuar te amando para o resto da minha vida. 
Eles sorriem um para o outro e uma lágrima escapa dos olhos de Marina. 

Parados na porta principal da mansão que anteriormente foi dos dois, Mel e Chay conversam e ele retoma ao convite que fez.
   — Então, Mel, você aceita ir ao meu show? 
Mel morde um lábio pensativa, olha para o chão e fica assim por um minuto, pesando os prós e os contras, tentando ignorar o seu coração e pensar unicamente com a razão. Ela abre a boca para responder, mas as palavras que surgem na noite não são suas.
   — Pai? O que o senhor está fazendo aqui?
Chay se vira e Mel ergue a cabeça, ambos visualizando Isabela parada no caminho do portão até a varanda com Felipe ao seu lado.